“Chova ou faça sol, nós teremos água no semiárido”, disse Dilma

Acompanhada do ex-presidente Lula, a candidata à reeleição Dilma Rousseff esteve nesta quinta-feira (21) em Petrolina, sertão de Pernambuco, Cabrobró e Floresta para vistoriar obras de integração do Rio São Francisco.

Dilma e Lula com trabalhadores. Obras geraram 11.500 empregos.
Dilma e Lula com trabalhadores. Obras geraram 11.500 empregos.

Segundo a presidenta, a obra “muda o cenário do semiárido nordestino” beneficiando 12 milhões de pessoas em oito Estados do Nordeste. Ela enfatizou que a cada R$ 1,00 investido, o governo federal investiu outros R$ 3,00 em obras complementares nos oito Estados da região.

“Tudo isso para garantir segurança hídrica. Não se escolhe se vai ou não ter seca. Essa é uma questão da natureza. Agora, você escolha se convive com a seca ou não. Não temos poder de acabar com a seca, mas temos a tecnologia para conviver com ela. Enfrentamos uma das maiores secas do semiárido, e enfrentamos com essa obra estruturante”, enfatizou Dilma.

A candidata frisou que entre o governo Lula e o seu, foram construídas um milhão de cisternas. “Isso mudará o Nordeste brasileiro. E mudará para muito melhor. Chova ou faça sol, nós teremos água aqui”, disse a presidenta.

E completou: “Um milhão de cisternas são 20 bilhões de litros de água. Isso equivale a encher 10 vezes a caixa d’água da cidade de São Paulo”.

O nordeste tem 28% da população brasileira, e só 3% da disponibilidade hídrica do Brasil. A falta d’água tem se resolvido com uma política de investimentos do governo federal. São 477 km de canal de água, organizado em dois eixos: Norte e Leste. Com 4 túneis, 14 aquedutos, 9 estações de bombeamento e 27 reservatórios. As obras, que devem ser finalizadas até 2015, geraram 11.500 empregos e um orçamento de R$ 8,2 bilhões.

Petrobras

Durante a coletiva, Dilma falou ainda sobre a CPI da Petrobras e Graça Foster. Ela acha “extremamente equivocado” colocar a “maior empresa do Brasil” como arma política.
A presidente citou escândalos na gestão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e questionou por que eles não foram investigados. “Eu lamento profundamente a tentativa a cada eleição de se fazer, primeiro, uma CPI da Petrobras, segundo, de criar esse tipo de problema. Eu me pergunto, por que ninguém investigou com esse denodo o afundamento da maior plataforma de petróleo? Porque, apesar de estar em ação popular, ninguém investiga a troca de ativos feitos com a Repsol”, rebateu Dilma Rousseff.

Os jornalistas questionaram o motivo do atraso da obra, que estavam prevista para 2010. ”Só não atrasa obra quem não faz. Aqueles que nunca fizeram obra no Brasil, que nunca deixaram obras planejadas são aqueles que nunca atrasaram”, afirmou.

Fonte: Muda Mais / Vermelho

Leave a Response