Em Cuba, EUA participam de reunião da Alba para debater o ebola

Em uma cooperação sem precedentes nos últimos 40 anos, o governo norte-americano enviou especialistas para participar da reunião técnica convocada pela Aliança Boliviariana para os Povos de Nossa América (Alba), em Cuba, com o objetivo de coordenar estratégias de prevenção e luta contra o ebola na região. Os países romperam relação nos anos 1960.

Cúpula da Alba foi realizada na última segunda-feira (20). EFE
Cúpula da Alba foi realizada na última segunda-feira (20). EFE

O encontro foi estipulado durante a cúpula extraordinária que a Alba realizou em Cuba na semana passada e da qual participaram 254 representantes de 32 países. Também foram convidados os integrantes da Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (Celac) e da Organização Pan-americana da Saúde (OPS).

O ministro da Saúde de Cuba, Roberto Morales, afirmou que o objetivo fundamental do encontro é o intercâmbio de critérios para enfrentar a doença. “Cada país tem que estar preparado para dar uma resposta [se surgirem casos]. Não teremos tempo para chegar a uma resposta internacional”, disse na abertura do encontro.

O diretor dos Centros para o Controle e Prevenção de Doenças (CDC) do governo dos Estados Unidos para a América Central, Nelson Arboleda, ressaltou a importância da união dos países para o controle do vírus. “Estamos apoiando os países e os ministérios da Saúde nas Américas para assegurar que tenham as capacidades adequadas para poder responder a uma possível introdução do ebola”.

O programa inclui uma visita ao Instituto de Medicina Tropical Pedro Kourí, onde são treinados os profissionais que integram a brigada de funcionários médicos cubanos que participarão da luta contra o surto do vírus na África Ocidental.

Cuba contra o ebola

Cuba se destacou no cenário internacional por enviar mais de 250 profissionais da saúde para cooperar com a luta internacional contra o ebola em Serra Leoa, Libéria e Guiné, na África Ocidental. A ação foi elogiada pelo secretário de Estado norte-americano, John Kerry.

Em editorial, o principal jornal dos Estados Unidos, The New York Times, destacou o trabalho desempenhado pelo país e ressaltou que, mesmo sendo Cuba uma “ilha empobrecida”, vai enviar “centenas de profissionais às linhas de frente da epidemia”, posição que deve ser “elogiada e copiada”, diz. O jornal pede ainda que Washington coloque à disposição das brigadas médicas cubanas equipes e capacidades logísticas norte-americanas.

Cuba e Washington não mantêm relações diplomáticas oficiais desde 1961. Apesar das reiteradas condenações da Assembleia Geral das Nações Unidas, os Estados Unidos mantêm, desde 1962, um bloqueio contra a ilha.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), 13.703 pessoas se infectaram com o vírus do ebola desde o início da epidemia em março.

Fonte: Opera Mundi / Vermelho

Leave a Response