Hospital do Guará oferece atendimento especializado em Geriatria

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Unidade conta com serviço multidisciplinar e atende cerca de 120 pacientes por dia

 BRASÍLIA (24/11/13) – O ambulatório especializado em geriatria do Hospital Regional do Guará (HRGU) – referência em acolhimento ao idoso no DF – atende aproximadamente 120 pacientes por mês, com a oferta de serviços multidisciplinares em psicologia, assistência social, odontologia, psiquiatria e cardiologia.

 

O geriatra Carlos Frattini, que atua na unidade desde a sua inauguração, há 20 anos, destaca que a equipe trabalha com foco na prevenção, sempre buscando atender o paciente de forma geral, não apenas na causa específica solicitada pelo idoso.

 

“Muitas vezes o que traz o paciente aqui, no consultório, é um sintoma, mas quando você começa a conversar, percebe que existem outros motivos e possíveis outras causas que chegaram a atingir saúde do paciente. Nós tentamos detectar isso também”, afirmou o especialista.

 

Entre as doenças mais diagnosticadas estão hipertensão, diabetes, demências e depressão, que podem reduzir a expectativa de vida, atualmente, em média, de 73 anos (77 para mulher e 70 para o homem).

 

Segundo Frattini, os idosos menos afetados por esses problemas são os que trabalham, exercitam-se e se envolvem com atividades ao longo do dia. Além disso, é necessário se alimentar adequadamente.

 

“É preciso respeitar o corpo. A antiga receita de cereais integrais, folhas e frutas, de um modo geral, sempre será benéfica”, assegurou, ao informar que pacientes que não possuem uma doença preexistente e querem só manter a saúde em dia devem visitar o geriatra a cada três anos.

 

SERVIÇOS – Além de acompanhamento médico, os pacientes podem ser atendidos, no Guará, pela equipe do Núcleo de Atenção Integral à Saúde do Idoso (Naisi), que oferece atividades aos idosos, como automassagem, biodança, atividade física, terapia comunitária, entre outras ações temáticas. Também são promovidas reuniões mensais com familiares e cuidadores de pacientes portadores de Alzheimer.

 

“Essas atividades voltadas para os idosos são também os reforçadores sociais que nós temos. Além disso, é a promoção da saúde. Com a atividade física e a biodança, por exemplo, nós conseguimos incentivar isso”, afirmou a chefe do Naisi, Rosângela Lima.

 

(A.S/T.V*)

  Da Redação, com informações da Secretaria de Saúde

Fonte: GDF.GOV

Leave a Response