“Livro Potável” tem páginas que funcionam como purificador de água

Após passar por este filtro, a água contaminada é considerada potável. Foto :Divulgação
Após passar por este filtro, a água contaminada é considerada potável.
Foto :Divulgação

A agência DDB de Nova York, juntamente com a organização Water is Life, lançou recentemente o “Livro Potável”. A criação é uma espécie de manual com dicas e informações sobre saneamento, mas que possui uma função a mais: ele é capaz de purificar a água.

O livro é fabricado com um novo tipo de papel, criado pela McGill University, em parceria com a University of Virginia. Cada uma das páginas utilizadas é revestida com nanopartículas de prata, capazes de reter poluentes e elementos causadores de doenças como a cólera, por exemplo. Até mesmo a tinta usada para escrever as mensagens e dicas é comestível.


Foto: Divulgação

O funcionamento é muito simples e o preparo para o uso é feito em apenas três passos. Primeiro é necessário destacar uma das folhas do livro – elas já vêm marcadas e prontas para serem usadas sempre na mesma medida. O segundo passo consiste em encaixar a página no recipiente e por último basta despejar a água sobre a folha.


Foto: Divulgação

Após passar por este filtro, a água contaminada é considerada potável. De acordo com os fabricantes, o resultado é uma redução de 99,99% na quantidade de bactérias presentes na água, tornando-a semelhante à água disponível na torneira, que passa por tratamento.


Foto: Divulgação

Cada um dos livros possui 24 páginas, cada uma com dois filtros. A mesma folha pode ser usada para a purificação durante até 30 dias. Desta forma, com apenas um livro, a pessoa pode ter água potável por até quatro anos.


Foto: Divulgação

“O papel filtro do ‘Livro Potável’ vai revolucionar a purificação de água. Ele custa apenas alguns centavos para ser produzido, tornando-se de longe a opção mais barata do mercado”, declarou o CCO da DDB de Nova York, Matt Eastwood, no site da empresa.

Através da organização Water is Life, o livro deve ser distribuído em comunidades que não possuem acesso às redes de saneamento básico e distribuição de água potável.

Redação CicloVivo

Fonte: Ciclo Vivo

Leave a Response