10 teorias conspiratórias da era da internet

Artistas marionetes, massacres forjados, aviões surrupiados pela CIA… Nunca tivemos um ambiente tão prolífico para o desenvolvimento das chamadas teorias do que ‘realmente’ aconteceu

(Fonte da imagem: Reprodução/WikimediaCommons)
(Fonte da imagem: Reprodução/WikimediaCommons)

A internet talvez pudesse ser classificada como um amplo centro nervoso dotado de megafones em toda parte. Como consequência, há hoje uma facilidade nunca antes vista para a distribuição e replicação de informações — embora certamente não falte quem questione a cultura da era atual. Entretanto, nem só de fatos consumados vive o nosso belo cosmo virtual. Afinal, sempre se pode arremessar algo na grande rede e esperar pelo respaldo.

É claro que as teorias da conspiração existem desde muito antes de aquele famoso sujeito interligar as universidades com sua proposta integrada para intercâmbio de pesquisas. Entretanto, cá entre nós, jamais foi tão rápido e imediato fomentar intrigas e chamar a atenção para teorias do que “realmente” aconteceu.

De fato, basta um rápido passeio online para conhecer dezenas de teoristas sobre tudo — ou, vá lá, quase tudo. Afinal, há celebridades sendo controladas como “bonecos” para táticas políticas obscuras; há aviões cujo desaparecimento se justifica por uma manobra da CIA; há massacres escancarados que, “na verdade”, foram forjados…

10 teorias conspiratórias da era da internet

O “Olho da Providência”, conforme encontrado na nota de 1 dólar, serve de constante estofo para especulações sobre as origens dos EUA. (Fonte da imagem: Reprodução/WikimediaCommons)

Isso para não mencionar que mesmo os nossos familiares mais próximos devem integrar um movimento “secreto” que abriga a quase totalidade da população global — sabe aquele vendedor de cachorro-quente “estranho” da sua rua? Sim, ele “é um illuminati!”, garantem os teoristas.

Por fim, é claro que a “indústria cultural”, como já foi chamada, também não poderia escapar do ardil dos teóricos. Quer dizer, como você nunca percebeu a semelhança entre Ron Weasley e Albus Dumbledore? Ou vai dizer que certa roupa da determinada personagem de um dado seriado não fazem supor uma ligação possível com Sharon Tate — esposa do diretor Roman Polanski assassinada pela seita de Charles Manson?

Naturalmente, exemplos é que não faltam. Entretanto, o site Mashable reuniu 10 bons exemplos do atual “catalisador teorista” do ambiente online. Confira abaixo.

O voo 370 da Malaysia Airlines estaria em uma ilha britânica

Já disse o sábio: “Nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”. Bem, é fácil inferir daí que as coisas não podem simplesmente “desaparecer”, deixando para trás o vácuo. E isso deve ser ainda mais aplicável no caso de um avião enorme pesando dezenas de toneladas — como bem têm observado diversos teoristas do caso envolvendo o sumiço do voo 370 da Malaysia Airlines.

10 teorias conspiratórias da era da internet

 (Fonte da imagem: Reprodução/Mashable)

Eis, portanto, o que “realmente” aconteceu: o avião pousou em Diego Garcia, uma pequena ilha britânica no oceano Índico. E o que é pior: conta-se que a ilha é tradicionalmente utilizada pela CIA para aprisionar e torturar suspeitos.

É claro que a teoria já foi desmentida em relatórios oficiais. Ledo engano: historicamente, isso apenas faz aumentar as especulações, afinal. Particularmente, acho a proposta da ilha de Lost muito mais crível… Cada um com a sua aposta, naturalmente.

A Google é a Skynet

Afinal, como você não “percebeu” isso antes? As conexões entre a onipresente Google e a temível entidade cibernética da série “O Exterminador do Futuro” saltam à vista! Bem, mas o estopim da teoria ligando a companhia à inteligência artificial com pretensões de varrer da Terra os seres humanos é algo relativamente recente.

10 teorias conspiratórias da era da internet

(Fonte da imagem: Reprodução/ikifanboyungunlugu)

Metade teoria, metade “meme” fundado em pura zoeira, a hipótese acabou ganhando fôlego depois que a Google adquiriu a Boston Dynamics, uma companhia de engenharia robótica notória por haver construído robôs para o Pentágono.

Entretanto, justiça seja feita, o blog GoogleIsSkynet está por aí desde 2006, garantindo que, em algum momento futuro, a Google nos controlará a todos — algo muito distante do que se vê atualmente… Certo? Enfim.

O massacre de Sandy Hook seria apenas um trote mórbido

O massacre na escola primária de Sandy Hook foi um dos piores da história dos Estados Unidos da América — sendo a pior chacina escolar provocada por um único sujeito no país. Em 2012, Adam Lanza, um estudante de 20 anos, entrou no local e disparou desbragadamente, matando 20 crianças, seis adultos e, por fim, colocando uma bala na própria cabeça. Antes disso, ele havia também matado a própria mãe.

10 teorias conspiratórias da era da internet

(Fonte da imagem: Reprodução/BusinessInsider)

Bem, ocorre que isso “seria” trágico se “realmente” houvesse ocorrido. Segundo alguns teoristas, tudo não passou de um trote mórbido de muito mau gosto. E isso porque (a) Lanza era “frágil” demais para carregar diversas armas simultaneamente e também (b) muito inexperiente para ter conseguido matar tanta gente.

O site Memory Hole, dedicado à especulação, garante que as fotos tiradas no dia foram encenadas por atores. Na verdade, de acordo com o veículo, nem mesmo existiu uma pessoa de nome “Adam Lanza”. Além disso, as mensagens no Twitter teriam sido postadas antes do incidente.

Todos somos Illuminati

De acordo com uma classe muito comum de teóricos da conspiração, há atualmente mais Illuminati por aí do que artistas postando para fotos segurando bananas. Sua mãe deve ser uma, de fato, assim como padeiro da sua rua, seu cachorro, o pedinte da esquina, o prefeito da sua cidade e — quem sabe? — até o seu animalzinho de estimação.

10 teorias conspiratórias da era da internet

(Fonte da imagem: Reprodução/Ringside Report)

Entretanto, as teorias envolvendo os rumos atuais da seita têm um ponto de confluência favorito: as celebridades. Beyoncé, Jay Z, Miley Cyrus, Kanye West, Taylor Swift… Há quem diga que todos já deixaram sinais claros de que pertencem à sociedade secreta — a qual, em um futuro não muito distante, deve nos subjugar a fim de instaurar uma nova ordem mundial.

São triângulos aqui, safadezas televisionadas ali, detalhes de clipes acolá… Há quem se ocupe de reunir tudo isso. Mas, espere, o próprio redator que vos escreve deve ser um Illuminati, não? Afinal, parece que eu estou aqui desacreditando a coisa toda, não? Humm…

O que “realmente” derrubou o voo 800 da TWA?

Embora as teorias sobre o voo 800 da TWA tenham saído um pouco da moda nos últimos anos, há ainda diversos ânimos internet afora que não se contentaram com a versão oficial do acidente envolvendo o Boeing 747 — uma explosão do tanque de combustível teria causado a morte das 230 pessoas a bordo, entre passageiros e tripulantes.

10 teorias conspiratórias da era da internet

(Fonte da imagem: Reprodução/WikimediaCommons)

Embora haja muita especulação, a maioria delas — as mais coerentes, pelo menos — afirmam que o avião foi abatido pelo próprio exército dos EUA, que teria, então, encoberto a coisa toda por motivos óbvios. Há quem garanta, inclusive, que isso se deveu à presença de terroristas no voo. Enfim, mais uma teoria que ainda deve dar muito estofo a especulações.

O presidente dos EUA puxa as cordas das celebridades

E você aí achando que a Miley Cyrus havia “despirocado” por acaso, hein? “Não mesmo!”, diria um dos teóricos envolvendo a clássica visão de “bonecos” governamentais. Há quem diga, por exemplo, que o declínio estrondoso da musa pop Britney Spears foi algo arquitetado para ludibriar a atenção popular — particularmente, oferecendo algo mais chamativo do que as derrapadas do governo Bush.

10 teorias conspiratórias da era da internet

(Fonte da imagem: Reprodução/WikimediaCommons)

O mesmo valeria para a infame apresentação de Miley Cyrus durante o evento MTV Video Music Awards — incluindo o famigerado esfregar de partes pudendas. Nesse caso, é claro, o interessado não seria mais o ex-presidente Bush, mas sim o seu sucessor, Barack Obama, que igualmente teria interesse em desviar as atenções das questões políticas.

Os desenhos da Pixar ocupam o mesmo universo

Comece a coletar os indícios ali e julgue por você mesmo, mas há muita gente que defende um universo único ao qual se referem todos (sim, todos) os desenhos da produtora Pixar. Tudo bem, vá lá, a coisa aqui é um tanto menos compromissada (ou preocupada) do que as comoções mais políticas.

Curiosamente, entretanto, até faz mais sentido — embora dificilmente pareça algo intencional. Confira alguns dos fatos utilizados pelos teóricos para endossar a hipótese do “Universo Pixar” — conforme reunido pelo “Detetive da Pixar”, Jon Negroni, em seu site pessoal:

  • Brave é o primeiro e também o último filme em uma linha cronológica épica. Ali, os animais foram enfeitiçados para que assumissem um comportamento humano;
  • Isso explicaria o porquê de o ratinho de Ratatouille ser capaz de cozinhar — os animais do universo Pixar estariam evoluindo;
  • Charles Muntz, o vilão do desenho “Up — Altas Aventuras”, aprendeu como provocar a evolução dos animais, o que o inspirou a criar o colar capaz de registrar os pensamentos dos cães;
  • Syndrome, a arqui-inimiga de “Os Incríveis”, desenvolveu uma inteligência artificial que, ao longo dos anos, poderia evoluir para conceder consciência a objetos inanimados… E é daí que surgiria a explicação para os bonecos de Toy Story, naturalmente; e
  • Monstros S.A. é a animação mais futurística da todas. E há uma ligação com Brave, é claro. Ou você nunca percebeu que a adorável “Boo” é, “na verdade”, uma viajante do tempo… Ou, a bruxa de Brave, que teria iniciado a coisa toda, transformando os longa-metragens em um belo ciclo fechado magnificamente orquestrado?

Celebridades imortais

A banda Red Hot Chili Peppers já falava de “pagar bem o seu cirurgião para quebrar o feitiço do tempo” e, de fato, com uma conta bem recheada é possível ocultar a idade em 10 ou 15 anos. Mas existem celebridades que realmente abusam, hein? Com isso, surge mais um dos campos tradicionais dos especuladores na era da internet: o das celebridades imortais.

10 teorias conspiratórias da era da internet

(Fonte da imagem: Reprodução/WikimediaCommons)

Há quem diga, por exemplo, que o cantor e compositor Pharrel pode ser um vampiro. Não, ninguém nunca o surpreendeu sugando o pescoço de alguém — e nem mesmo dilacerando um pedaço de carne crua. Entretanto, os teoristas de plantão acreditam que deve ser a única forma de um sujeito com 40 ter a aparência de 20.

E é nesse ponto que, normalmente, surge o próximo passo necessário da especulação: alguém aparece com um retrato de dezenas ou mesmo centenas de anos, no qual há um sujeito perturbadoramente semelhante a Pharrel, Nicolas Cage, Jay Z ou Keanu Reeves (um dos preferidos). Haja tempo livre.

Ron Weasley e Albus Dumbledore são a mesma pessoa

No universo de Harry Potter, Ron Weasley é aquele típico sidekick — cômico, quase sempre amável, confiável e sem um conjunto de virtudes extenso o suficiente para ameaçar o herói principal. Entretanto, de acordo com alguns teóricos da conspiração, o papel do atrapalhado Sr. Weasley é um tanto mais pronunciado do que poderia considerar uma mente ingênua.

10 teorias conspiratórias da era da internet

 (Fonte da imagem: Reprodução/WikimediaCommons)

Há quem diga que o simpático ruivo é, na verdade, o próprio Albus Dumbledore. Os detalhes estão todos ali: altura, aparência esguia, longos narizes e cabelos ruivos — embora Dumbledore possua uma longa cabeleira acinzentada atualmente, flashbacks nos livros insinuam que o velho mago também possuía “cabelo de fogo” quando era mais jovem.

10 teorias conspiratórias da era da internet

 (Fonte da imagem: Reprodução/WikimediaCommons)

Como isso é possível? Novamente, recorre-se às viagens temporais (sempre elas). O responsável por Hogwarts seria, portanto, um envelhecido Ron Weasley que volta no tempo para viver o restante dos seus dias como Dumbledore. Bem, a hipótese tem sua elegância, não se pode negar.

Por Luccas Monteiro

Fonte: Megacurioso

Leave a Response